quarta-feira, 1 de junho de 2011

Hoje eu não sou mais o mesmo!

Sabe aquele sonho de ser astronauta e ver a lua bem pertinho, ou o simples
fato de ter uma casa na árvore... não existe mais.
Hoje eu não sou mais o mesmo, tenho dores emocionais, e guardo maǵoas de
pessoas ou situações em que passei.

Aquela moeda que na infância servia para comprar muitas balas, e
guloseimas... hoje está entre as coisas jogadas, como se não existisse valor
nenhum.
Hoje eu não penso mais como antes, tenho a necessidade de me arrumar para
sair, esperando um elogio, ou querendo mostrar a camisa nova.

Não bebo mais água da pia, não ando mais descalço, e nem assisto desenhos.
Hoje eu vejo notícias graves na TV e me preocupo, penso em como pagar aquela
dívida antiga, e lavo as frutas antes de comer.

O encanto do Natal, e a sensação maravilhosa que o coelho da páscoa iria me
trazer ovos, se tornou realidade.
A magia do aniversário com bolo enfeitado, e chapeuzinhos do personagem que
eu mais gostava ... se tornou em uma confraternização com os amigos, onde se
bebe e fuma.

E quando lia os livros com histórias de finais felizes ... e hoje me frustro
em saber que muitas histórias de amor se acaba em dor, desilusão e mágoas.
Hoje eu não sou mais o mesmo. Fico desconfiado quando recebo um agrado ou
presente fora de época.

Agora eu vivo o que as pessoas adultas diziam sobre a vida adulta. Agora com
a idade compreendida entre a adolescência e a velhice eu sei o que é acordar
cedo, trocar cédulas por alimento , ou não ir para o fundo do mar.

Troquei as músicas coloridas por músicas que falam de amor, de recaidas, de
apegos. Estou preferindo a coca-cola no café da manhã, do que o iogurte com
frutas.

Hoje eu não sou mais o mesmo, não dou satisfações, não tenho horário pra
comer ou dormir, as vezes preciso de um sorriso no rosto para ser mais
simpático ou flexível com alguém... hoje eu preciso de uma dose de algum
líquido com alcool pra se tornar mais "feliz" mais "ousado" , ou de uma
compania para um desafabo numa carência qualquer.

Hoje a mudança é explícita no meu corpo, na minha mente, nas atitudes.
Nunca mais me tornarei o que era! Hoje a maturidade tomou o lugar da essência
da credulidade excessiva.

... hoje eu não sou mais o mesmo, não mesmo!

2 comentários:

  1. Lindo texto!!
    E como seria bom se conservássemos esse "ser o mesmo" de qdo eramos crianças, mas o tempo passa e mudamos MESMO!! :S

    beeeeijoo :D

    ResponderExcluir